Livros

Sem título.png

InVerso e Acorde é um projeto primeiro, pouco pensado, que acabou acontecendo para uma moça simples do interior de Minas. Mas que feliz estou por saber que a essência da poesia que derramo está explícita no que escrevo. Eu amo a palavras! Tenho fascínio pela poesia. Já me disseram sobre ser menos só eu nos poemas, e compreendo perfeitamente. Por muito e muito tempo, tempo em que nasceram quase todos os poemas de InVerso e Acorde, escrevi só para mim, de fato. Estou engatinhando. Mas minha poesia, de letras e de partilhas humanas, ganha nova rega.

Que a poesia da vida prevaleça!

 

Forte abraço e demorado

Uma coletânea com 63 poemas autorais que tratam sobre o próprio ato de escrever.

Ano 2017       72p.

Editora Literacidade

Prefácio - Thonny Barcelos

Críticas - Márcio Almeida

                   Robson Waite

Poemas     Sou Poesia

                    Camaleão

                    Cultura

                    A Menina e o Rio

 PREFÁCIO

 

    Fui convidado a prefaciar esta obra de minha querida Herena e nem sei expressar a felicidade que esse convite me causou. De início, preciso registrar todo meu apreço, consideração e amor que tenho por essa pessoa maravilhosa, que é um todo em carinhos, um primor de educação, dona de uma arte singular e detentora de virtudes que não se pode cotejar.

    Sendo minha prima, vi-a pela primeira vez quando ela estava com dois meses de idade e só fui revê-la quando já estava com quase cinco anos, em minha primeira visita a Itinga, cidade que me conquistou logo à primeira vista e que tem uma relação muito peculiar e importante com minha vida. Pois bem, ao ter um contato mais chegado com Herena, pude perceber que ela seria uma menina diferente e que teria à sua frente um caminho permeado por artes e recheado de cultura, mesmo vivendo numa cidade razoavelmente precária em estímulos culturais. Mas, o coração do Vale do Jequitinhonha é grande o bastante para proporcionar combustível artístico para quem dele precisa, e Herena se abasteceu de tudo o que tinha direito e, aliado a um dom nato de reconhecer beleza e retratá-la com magia, essa menina cresceu e se transformou num sem-fim de adjetivos.

    Ela sempre destaca, com amor, que teve grande influência minha o seu despertar para as letras, pois sempre me observava com um livro e ficava encantada ao ver o tanto que eu lia. Com curiosidade, queria sempre saber dos enredos que eu estava experimentando no momento e sentava-se ao meu lado, tão somente para me fazer companhia física.

    Em nossos passeios pelas praias do Rio Jequitinhonha e pelas ruas da cidade de Itinga, sempre me indagava o porquê de algumas coisas e estava sempre interessada em saber das coisas mundanas, já ávida por conhecimentos. Responder a esses questionamentos e partilhar de minhas experiências com ela sempre foi um prazer inenarrável e me fazia sentir o mais importante dos primos!

    O tempo passou célere e a menina do rio cresceu, desabrochou, virou mulher, mãe e tem mostrado todo seu talento há vários anos, com composições musicais, escritos originais e muitos dons artísticos, além dos culinários e maternos.

    Tenho acompanhado seu desenvolvimento em todas as fases e, a cada dia, mais me surpreendo com seu talento para expressar o que acontece em seu íntimo e o que passa por sua cabeça, tão pródiga em ideias.

   Ela agora vem com este “In Verso e Acorde” e traz, com uma competência contumaz, uma coletânea de fazer inveja aos mais nobres nomes de nossa literatura. Ao ler esses poemas, tive a impressão de estar admirando um Fernando Pessoa moderno, bem como uma Cecília Meireles vivendo em pleno século XXI.

    Herena nos brinda com uma obra madura, telúrica por algumas vezes, e plena em lucidez e equilíbrio. O mundo hodierno, a existência humana em pleno encanto e desencanto, uma convicção poética filtrada em uma sensibilidade instantânea, numa dicção pessoal e que surpreende pela magia das palavras e pelo toque sedutor, tudo é expresso em seus textos. Com escritos arrebatadores, num estilo único, sem fragmentações, revelando um convívio quase absoluto com a natureza e com o ser vivente, ela transforma as palavras em uma temática inusitada, demonstrando uma perfeição e toda sua legitimidade, rumando à sua maturidade e denotando sua fortuna poética para a posteridade.

    Quando ela diz que “seu templo é poesia”, ela nos leva a um nível de experiência universal, em que os emblemas cotidianos são vicejantes e pulsantes. Assim como quando ela diz sobre a “cultura” de sua terra, que se torna canção pela partilha e se torna nosso lar, o que expressa seu lirismo e sua verve cultural. E ainda nos encanta com “a menina e o rio”, expondo um pouco de seu rincão e nos remetendo à sua infância, consagrando seu estilo conciso e raro. Ah, e quando ela fala “do português que só se entende com” ficamos atentos e percebemos o crescimento intelectual e maduro dessa poetisa nata e que evoca a saudade, a novidade e constrói um universo particular, elegante e pacientemente trabalhado.

    Por tudo isso, tenho incomensurável orgulho em apresentar esta relíquia, que resgata nossa poesia de modo sublime e terno, consagrando nossa Herena ao patamar dos “grandes” mestres da poesia.

 

Thonnynho Barcellos Oliveira-MG, outono 2016

 

Poeta, não somente o que escreve, é aquele que sente a poesia, se extasia sensível ao achado de uma rima, à autenticidade de um verso.” Cora Coralina 

 
 

A opinião de quem leu

HERENA,

o muito amigo e notável Toninho Barcelos, seu primo, sabendo-se poeta, crítico literário e com uma vivência de 60 anos com as linguagens poéticas, gentilmente me ofertou exemplar do seu livro "In Verso e Acorde".

Você explode emoção, subjetividade, cantaria típica do povo do Jequitinhonha, comoção pela descoberta nas vísceras das palavras onde sobejam significados múltiplos que constituem a anima da poesia.

Aliás, o que você é: poesia. Poemas como "Cultura", "Meu templo é a poesia", "Foz", "Pros mundos de seu som", "Desigualdade", "Instrumento", "Sempre", "A menina e o rio", "Uníssono", entre outros, autorizam a você possuir uma dicção própria e a promover arrebatamento com a palavra.

Sua sensibilidade vibra jeu des mots em "Uníssono"; diz de dentro quando escreve  "a gente vai caçando liga - uma rima qualquer - que a memória puxa". Ou quando assinala que "só o poema me cala" - preciosa conclusão de quem tem a poesia como/vida, reforçada pela verdade poética de que "todo silêncio me custa um poema", numa bela e profunda metáfora. É perfeita sua declaração em "Humano": "Só o poema não me reprime. - Quem diria - sendo a poesia tão sublime - é de mim o mais profano." Quadra digna de uma Adélia Prado. Ou quando você é o próprio processo lúdico da linguagem, como em "Completeza": "E quando, assim pequenina - gostar de você é tão grande - você se faz tão poesia. - Não é só porque me inspira - mas porque me derrama."

O mesmo a dizer de "Poema mudo" - e diz! Porque, você arrebata, o poema é "sentimento indescritível". E completa sua convicção ideológico-poética quando confessa: "porque preciso da estética - bem pouco sei da beleza. - Tenho um poema urgente - que não consigo escrever." Com a metalinguagem ou em estado puro, seu livro tem essa iluminação. Ele é bom de ler como plantar raízes nas palavras. E as suas dão bons frutos.

Abraço - Márcio Almeida

robson inverso e acorde.png

Poemas

a menina e o rio.png
cultura.png
SOU POESIA.png
camaleao.png

Primeiro lugar no II FEST ÁGUA

Classificado para FESTIVALE Joaíma

humano menino poeta.png

Poema musicado por Ivone Cerqueira

 

Lancamentos

 

Itinga

Lançamento no Potência Bar

em agosto de 2017

Felício dos Santos

Lançamento na Noite Literária do Festivale

em julho de 2017

 

InVerso & Acorde por aí...

 

Faça sua pergunta para a autora

 
.

Obrigada por enviar!