Por essas Bandas de Itinga

Entrevistas

Jô Pinto

 

A cidade

O nome ITINGA é uma palavra de origem indígena, e significa “Água Branca ou Rio Branco”; ITI – água ou rio, INGA – Branca, o nome era usado pelos índios para denominar o rio em cujas margens a cidade nasceu. Os primeiros nomes do município foram: Barra do Rio Itinga e Santo Antônio da Barra do Rio Itinga.

O município de Itinga está situado no Nordeste de Minas Gerais, no Médio Jequitinhonha e cortado ao meio pelo majestoso Rio Jequitinhonha. Limita-se com os municípios de Salinas, Itaobim, Medina, Comercinho, Rubelita, Coronel Murta, Araçuaí e Ponto dos Volantes.

 

Situada no Vale do Jequitinhonha, região de alto valor artístico e cultural, Itinga sempre teve representatividade nos movimentos de Cultura da região. 

 

O movimento Cultural de Itinga é representado hoje pela Secretaria Municipal de Educação e Cultura, pelo conselho Municipal de Patrimônio Cultural e pelo Centro Cultural Escrava Feliciana, além de outras associações que atuam com projetos culturais com a Associação dos Moradores e Amigos de Itinga, a Associação dos Artesãos do Povoado do Pasmadinho e Associação Quilombola dos Devotos da Escrava Feliciana.

 

Atualmente existe um forte movimento literário na cidade, ilustrado pelos projetos Chá com Poesia, aqui na sua XI edição, Poste Poesia, Caixote de Leitura, Poesia nas Escolas, Projeto Arte de Viver e as consideráveis participações prêmios que nossos escritores vêm conseguindo no cenário local e nacional.

 

Adaptado por Herena Barcelos de PINTO, Jô. In Memórias de Iinga (2008)

O que fazer em Itinga?

 

Prainha do Rio 

Cachoeiras                             Trilhas

Passeios noturnos, aproveitando a calma da cidade          

       Restaurantes                     Bares e lanchonetes

Visitar Mestre Ulisses Mendes                Visitar Patrimônios Culturais    

Visitar a comunidade Quilombola do Genipapo

Visitar a Vila de Artesãos do Pasmadinho

Marcar um Encontro com Poetas Locais

 
 

Mestre Ulisses Mendes

O artesanato de cerâmica do Vale do Jequitinhonha, hoje considerado patrimônio imaterial de Minas Gerais, é uma forte marca da riqueza cultural de nosso povo. Em Itinga, destaca-se o trabalho do Mestre Ulisses Mendes, reconhecido em todo mundo pelas suas personagens moldadas no barro.

 

Como uma grande metáfora da região que ama e retrata, as peças de Mestre Ulisses Mendes contrastam as crônicas da dureza da vida desse nosso povo com a riqueza do fazer artístico e a suavidade de um trabalho tão delicadamente detalhado.

 

Ulisses Mendes nasceu em Itinga, no dia 11 de fevereiro de 1955, numa família de artesãos. Com 17 anos, já trabalhava numa olaria e o contato com o barro despertou o desejo de produzir peças diferentes: figuras de animais, pessoas, aves e etc. Na enchente de 1979 despertou para a possibilidade de retratar a realidade em que vivia por meio de suas obras. Reconhecido Mestre pela UFMG, Ulisses, hoje vive de sua produção artística.

Reconhecendo a importância da pessoa do Mestre Ulisses Mendes para o artesanato e para a história cultural da cidade de Itinga, o Conselho Municipal de Patrimônio Cultural – COMPAC e a Secretaria Municipal de Educação e Cultura decidiram pelo registro imaterial da obra e arte do Mestre Ulisses Mendes, reconhecendo o trabalho do artista como Patrimônio Cultural, assumindo o compromisso de difundir a importância do Mestre no cenário artístico não apenas de Itinga ou do Vale, mas de todo o país.

Bibliografia 

 

Antologia dos Poetas e Escritores do Vale do Jequitinhonha - Herena, João vicente, Camila Gonçalves, Jô Pinto, Vicentino Rodrigues, Valdirene, Júlia Cardoso, Paulo Poeta, Eduardo Henrique, Otacílio Mendes

Antologia da 23º Noite Literária, 35º FESTIVALE

Estradas de Chão - Coletivo VOHEJAR - Vicentino Rodrigues, Otacílio Mendes, Herena, Eduardo Henrique, Jô Pinto, Anderson Rodrigues

 

Mutirão das Letras - Escola Estadual de Itinga

Memórias de Itinga - Jô Pinto

Minha História Real - Juarez Ferreira

Moinhos: O Tempo e o Vento - Margareth Rafael

Raízes: O Livro da Minha Vida - Margareth Rafael

Ulisses Mendes : Itinga - Minas Gerais - Vale do Jequitinhonha - Maria Aparecida Moura

Calendas e Idos - o Vale e a Vida - Maria Nelly Lages Jardim

O Romanceiro do Jequitinhonha - Maria Nelly Lages Jardim

Na Relva do Tempo - Maria Nelly Lages Jardim 

Falando de Deus - Otacílio Mendes

Antologia Prêmio VIP de Literatura - Vicentino Rodrigues (participação)

InVerso e Acorde (poesia autoral), 2017

De Outras Terras em Mim (prosa autoral), 2018

 

Coletânea de contos – Fora da Curva – participação Herena

​Antologia Poética do Vale do Jequitinhonha, Instituto – participação Herena e Regiane

Antologia do Portal da Escrita: Do Nascimento ao Epitáfio – participação Herena

Coletânea Mulheres Contistas, Editora Zouk 2017 – participação Herena

Jardins e Flores - Herena e Laécio Beethoven

 

Coletânea Ensaio sobre o Tempo – Participação Herena

 

Revista de Criação Literária da Editora Fluxo, 4º edição - participação Herena

 

Panorama da Literatura Brasileira Contemporânea – participação Herena

 

Coletânea Eldorado: Poemas, crônicas e contos do Grupo Editorial Celeiro de Escritores – participação Herena

 

A cebolinha

 

A cebolinha é uma relva branca de florzinhas que cresce nas primeiras chuvas de outubro. Tradicional, hoje t}em diminuído muito os terrenos onde a florzinha é encontrada. Quase todos os moradores de Itinga têm fotos de passeios nos campos de flores.

WhatsApp Image 2019-08-07 at 22.25.25 (5

AS CEBOLINHAS

 

As cebolinhas rebentam

do solo árido

emergem na gretada terra

batida pelo sol do estio.

Celebram a primeira chuva.

surgem flores brancas-roseas

colorem os prados, os vales

em esperançoso verdor

pequenos lírios

no milagroso solo

de alfombrado ardor.

Após primeiras chuvas

o campo se cobre de flores

qual celestes nuvens

rebentos de penitentes rezas

de quem espera

a bendita primavera

quando em três dias

a natureza é uma festa.

Maria Nelly Lages Jardim

 

Fotos